Institucional, Responsabilidade Social

Falta de atenção é a principal causa de acidentes e  mortes com caminhões e ônibus

11/07/2016

Atlas da Acidentabilidade no Transporte Brasileiro

Detalha os acidentes envolvendo caminhões e ônibus nas rodovias federais brasileiras. Todas as informações do Atlas da Acidentalidade no Transporte Brasileiro podem ser acessadas no portal www.atlasacidentesnotransporte.com.br

Atlas da Acidentabilidade no Transporte Brasileiro

Detalha os acidentes envolvendo caminhões e ônibus nas rodovias federais brasileiras. Todas as informações do Atlas da Acidentalidade no Transporte Brasileiro podem ser acessadas no portal www.atlasacidentesnotransporte.com.br

Anaelse Oliveira

Responsável pelo PVST

Solange Fusco

Diretora de Comunicação Corporativa do Grupo Volvo América Latina

Atlas da Acidentalidade no Transporte Brasileiro, que detalha os acidentes envolvendo caminhões e ônibus nas rodovias federais brasileiras, mostra que a principal causa de mortes de mortes envolvendo esses dois veículos é a falta de atenção.  Os dados revelam que, a falta de atenção deixou 501 vítimas fatais em acidentes com caminhões e 95 em acidentes envolvendo ônibus em 2015.

“Essas informações nos mostram que o comportamento inseguro ainda é o principal problema a ser enfrentado. Isso reforça ainda mais a necessidade de destinar esforços em conscientização e treinamento focado no comportamento”, diz Anaelse Oliveira, coordenadora do Programa Volvo de Segurança no Trânsito (PVST).

 

Caminhões

Dos 122.007 acidentes registrados nas rodovias federais em 2015, 37.376 envolveram caminhões, resultando em 19.850 feridos e 2.809 mortos.  A principal causa de acidentes e mortes foi a falta de atenção no volante, responsável por 11.674 acidentes e 501 mortes; seguida por excesso de velocidade, com 4.385 acidentes e 425 mortes. Excesso de velocidade também é a segunda causa mais letal, com índice de gravidade de 4,3. A primeira é dormir ao volante, com índice de gravidade de 5.9.

“Mortes envolvendo caminhões acarretam perdas que afetam negativamente o segmento de transporte de cargas, um dos setores vitais para a economia do país”, afirma Solange Fusco, diretora de Comunicação Corporativa do Grupo Volvo América Latina.

O maior número de acidentes acontece durante a semana pela manhã. Porém, os mais graves acontecem no final de semana por volta das 18h. 

Os estados com maior letalidade em acidentes envolvendo caminhões nas rodovias federais também são Minas Gerais, Bahia, Paraná e Santa Catarina. Em Minas foram registrados 5.122 acidentes que deixaram 3.762 feridos e 491 mortos; na Bahia foram 2.586 acidentes com 1467 feridos e 291 vítimas fatais; no Paraná, 4.136 acidentes deixaram 2.338 feridos e 231 mortos; e em Santa Catarina ocorreram 3.918 acidentes com 1.955 feridos e 214 vítimas fatais.

Os trechos com maior número de mortos em acidentes com caminhões estão em Minas Gerais e Santa Catarina. Em Minas, os piores trechos estão entre os Km 579 e 589 da rodovia BR-040, e entre os Km 427 e 437 da BR 381, ambos na região de Belo Horizonte.  Em Santa Catarina, os acidentes mais graves de 2015 aconteceram entre os Km 453 e 463 da BR 282 no interior do Estado; e entre os Km 427 e 437 da BR 101, na Região Metropolitana de Florianópolis.

 

Ônibus

Em 2015, foram registrados 5.657 acidentes envolvendo ônibus que deixaram 503 vitimas fatais. Pela característica do transporte, a gravidade dos acidentes envolvendo ônibus é maior.

A falta de atenção lidera a causas de morte com este tipo de veículo, sendo responsável por 95 das 503 mortes registradas em acidentes com ônibus nas rodovias federais em 2015; seguida por velocidade incompatível, que provocou por 54 mortes.

Já ultrapassagem indevida é responsável pelos acidentes mais fatais, com um índice de gravidade de 7.0, seguida de dormir ao volante, que registar um índice de 6,7; e por desobediência à sinalização, com um índice de gravidade 5.6.

A maioria dos acidentes está distribuída entre sexta e domingo, sendo que domingo é o dia com o maior número de fatalidades, com 70 mortos por mil acidentes.   O horário das 18 também é o mais crítico, com as ocorrências mais graves.

 

Informações

Todas as informações do Atlas da Acidentalidade no Transporte Brasileiro podem ser acessadas no portal www.atlasacidentesnotransporte.com.br.